A indústria naval no Brasil: três momentos de impulso estatal e a crise atual

  • Elina Gonçalves da Fonte Pessanha Instituto de Filosofia e Ciências Sociais de la Universidade Federal do Rio de Janeiro. CNPq (Conselho Nacional de Pesquisa). Arquivo de Memória Operária de Rio de Janeiro
  • Luisa Barbosa Pereira Universidade Federal do Rio de Janeiro, Arquivo de Memória Operária de Rio de Janeiro, Grupo de Estudio de Historia de Trabajo Global IHC, Universidade Nova de Lisboa, Proyecto In the Same Boat del Instituto de História Amsterdam Social (IISH) https://orcid.org/0000-0002-6808-2001

Resumen

O artigo apresenta as fases em que a indústria naval brasileira recebeu estímulo e apoio do Estado para o seu desenvolvimento, assim como os períodos em que, sem esse suporte estatal, o setor entrou em crise. O caso do estaleiro Caneco, depois Rio Nave, um dos mais antigos do país, serve de breve ilustração dos problemas da indústria, através da história.

El artículo presenta las etapas en que la industria naval brasileña recibió estímulos y apoyo del Estado para desarrollarse, así como los periodos en que, sin ese apoyo estatal, el sector entro en crisis. El caso del astillero Canelo, y luego Rio Nave, uno de los más antiguos del país, ilustra brevemente los problemas de la industria naval brasileña a través de su historia.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Antunes, Ricardo. 1991. O novo sindicalismo. São Paulo: Brasil Urgente.
Barsted, Dennis William V. Linhares.1982. Medição de forças: o movimento de 1953 e a época dos operários navais. Rio de Janeiro: Ed. Zahar.
Cardoso, Adalberto. 2003. A década neoliberal. São Paulo: Boitempo.
Castro, Antonio de Barros. 1969. Sete Ensaios sobre a Economia Brasileira. Rio de Janeiro: Forense.

DIEESE, Arthur C. Tinelli.1982. Relatório para o Sindicato de Metalúrgicos de Niterói, RJ.
Evans, Peter. 1993. “O Estado como problema e solução”, Lua Nova n. 28-29.
2004. Autonomia e Parceria: Estados e Transformação Industrial, Rio de Janeiro: Editora UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).
Favarin, Julio Vicente Rinaldi, et al. 2009. “Desafios para o ressurgimento da cadeia de fornecedores navais no Brasil.” In: XXI Congresso Panamericano de Engenharia Naval, Montevideo. Anais do Congresso.
Fedele, Ricardo. 2011. “Soldagem na Indústria Naval Moderna: materiais e processos”. Revista Soldagem & Inspeção, Ano 6. n. 9.
Furtado, Celso. 1959. Formação Econômica do Brasil, Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Furtado, André Tosi. 2002. “Mudança Institucional e Política Industrial no Setor Petróleo”. Revista Com Ciência 10 de dez.

Gaspari, Elio. 2002. A Ditadura Escancarada, São Paulo: Cia. da Letras.

Gomes, Angela de Castro, 1988. A Invenção do trabalhismo. São Paulo e Rio de Janeiro:Vértice/Iuperj.

Goularti Filho, Alcides. 2010. “A Trajetória da Marinha Mercante Brasileira: administração, regime jurídico e planejamento, Pesquisa & Debate, v. 21, n. 2 (38), 247-278.

2011. “História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa” , Revista EconomiA, vol. 12 n.2 mai/ago. Brasília(DF), 309–336.
Jesus, Claudiana Guedes de. 2013. “A Retomada da Indústria de Construção Naval Brasileira: reestruturação e trabalho”, PhD Thesis, Campinas, Unicamp.
Jesus, Claudiana Guedes e Gitahy. 2009. Transformações na Indústria de Construção Naval Brasileira e seus Impactos no Mercado de Trabalho (1997-2007)”, 1o Congresso Redes e Desenvolvimento Regional de Cabo Verde, Cabo Verde.

Krein, José Dari. 2007. Tendências recentes nas relações de emprego no Brasil: 1990-2005. Tese de Doutorado. Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas.
Linden, Marcel van der. 2008. Workers of the World, Essays toward a Global Labor History, Brill, IISH.
Linden, Marcel van der e Lucassen, Jan. 1999. Prolegomena for a Global Labour History, Amsterdam: International Institute of Social History. Available: http://socialhistory.org/sites/default/files/docs/publications/prolegomena.pdf
Mattos, M. Badaró. 1999. Novos e velhos sindicalismos no Rio de Janeiro. Niterói: Vicio de Leitura.
Morel, Regina e Pessanha, Elina, 1991. “Gerações Operárias: Rupturas e continuidades na experiência de metalúrgicos no Rio de Janeiro”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 17, ano 6.
Motta VEIGA, Pedro. 1984. Mudança técnica e processo de trabalho na construção naval brasileira, Dissertação de mestrado apresentada à Coppe, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Pasin, Jorge. 2002. “A Indústria Naval do Brasil: Panorama, Desafios Perspectivas”. Revista do BNDES, vol. 9, no. 18.
Pereira, Luisa Barbosa , 2012. Justa Causa Pro Patrão!: A Relação entre o Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro e a Justiça no Caso Sermetal. Rio de Janeiro: Editora Multifoco.
2014. Navegar é preciso?: Sindicalismo e judicialização ativa dos trabalhadores da indústria naval do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
Pessanha, Elina G F. 2001. Metalúrgicos, sempre operários navais: da cultura de direitos às perspectivas dos sem-fábrica da Indústria Naval do Rio de Janeiro. Ramalho, José Ricardo e Santana, Marco Aurélio (Org.). Trabalho e tradição sindical no Rio de Janeiro: a trajetória dos metalúrgicos. RJ, DP&A/Faperj, 2001.
2012. Operários Navais-Trabalho, sindicalismo e Política na Indústria Naval do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: 7Letras.
Pessanha, Elina e Pereira, Luisa Barbosa. 2013. Brazilian Shipbuilding And Workers Between Tradition And Innovation: Caneco And Rio Nave, Two Companies, One Shipyard. II Workshop In The Same Boat, Amsterdam.
Ramalho, José Ricardo. 2008. Trabalho, Direitos Sociais e Sindicato na Constituição de 1988: duas décadas de acirrada disputa política”. Oliven, Ruben George, Ridenti, Marcelo e Brandão, Gildo Marçal (Orgs.). A Constituição de 1988 na vida brasileira. São Paulo, ANPOCS.
Ribeiro, Duperron Marangon. Tecnologia da Solda”. 2000. Escola de Engenharia. Departamento de Engenharia Naval e Oceânica. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Centro de Tecnologia. Disponivel em http://pt.scribd.com/doc/88731373/97/A-Soldagem-na-Construcao-Naval
Rodrigues, Iram (org). 1999. O Novo Sindicalismo 20 anos depois. Rio de Janeiro: Vozes.
Russo, Cintia. 2016. Breves comentários sobre el Estado y la política industrial: el sector naval. Russo, Cintia, La Construccion Naval em Argentina, Brasil, España y Portugal (comp). Quilmes: Cenro Cultural de la Cooperación Floreal Gorini e Universidad Nacional de Quilmes.
SINAVAL, 2008. Principais acontecimentos, construções em andamento,capacidade produtiva e tecnologia naval. Disponível em: http://www.sinaval.org.br/informacoes.php. Access: 08 November 2012
SINAVAL. 2011a. Cenário do 4o Trimestre. Balanço 2011. Disponível em: http://www.sinaval.org.br/informacoes.php. Access: 08 Novembro 2012
SINAVAL. 2011b. A indústria da construção naval e o desenvolvimento brasileiro. Disponível em: http://www.sinaval.org.br/informacoes.php. Access: 08 Novembro 2012
SINAVAL. 2012. Cenário do 4o Trimestre de 2012 Balanço Anual. Disponível em: http://www.sinaval.org.br/informacoes.php. Access: 08 Novembro 2012.
SINAVAL, 2013. Balanço. Disponível em sinaval.org.br. Access: 09 Julho 2019.

SINAVAL. 2014. Cenário do 1º semestre de 2014. Disponível em sinaval.org.br. Access: 09 Julho 2019.
SINAVAL. 2015. Balanço. Disponível em sinaval.org.br. Access: 09 Julho 2019.
Schmitter, Philippe. 1971. Interest Conflict and Political Change in Brazil, Stanford: Stanford University Press.
Schneider, Ben,1991. Politics within the state: elite bureaucrats and industrial policy in authoritarian Brazil, Pittsburgh: University of Pittsburgh.
Tavares, Maria da Conceição. 1972. “Auge e Declínio do Processo de Substituição de Importações no Brasil”. Da Substituição de Importações ao Capitalismo Financeiro, Rio de Janeiro: Zahar.
Tilly, Charles. 1978. From mobilization to revolution”. Boston: Wesley Publishing Co.
2006. Regimes and repertoires. Chicago: University of Chicago Press.
Varela, Raquel, Meerkerk, Elise van Nederveen e Linden, Marcel van der. 2010. Project “In the same boat?:Shipbuilding and ship repair workers: a global labour history (1950-2010). Universidade Nova de Lisboa e International Institute for Social History.
Publicado
2019-12-01
Cómo citar
Gonçalves da Fonte Pessanha, E., & Pereira, L. B. (2019). A indústria naval no Brasil: três momentos de impulso estatal e a crise atual. Anuario Centro De Estudios Económicos De La Empresa Y El Desarrollo, (12), 23-61. Recuperado a partir de http://ojs.econ.uba.ar/index.php/CEEED/article/view/1575
Sección
Principal